Página Principal > Cardiologia > Pycnogenol: Uma nova esperança na prevenção cardiovascular

Pycnogenol: Uma nova esperança na prevenção cardiovascular

Muito se fala em prevenção de doença coronariana e risco cardiovascular, o controle da hipertensão, do diabetes e da dislipidemia é amplamente difundido e determinado por guidelines internacionais. As consultas dos clínicos e cardiologistas sempre são acompanhadas da rotineira análise destes fatores de risco, com tomada de medidas de controle e prevenção, sejam por medicamentos ou por mudanças no estilo de vida.

Dentro deste contexto, por diversas vezes você, médico, se deparou com a seguinte situação: paciente com valores limítrofes de pressão arterial, com resistência insulínica (sem caracterizar diabetes), ou ainda com aquela dislipidemia leve sem indicação de tratamento medicamentoso. A dúvida que deve ter passado pela sua cabeça era: como explicar para o paciente que tudo o que ele precisa fazer é mudar seu estilo de vida? Como explicar que não tem indicação de medicamento? Muitas vezes, na tentativa de “agradar” o paciente, satisfazendo-o com a idéia de que algo está sendo feito, nos rendemos a tratá-lo como “doente”, pois, afinal, não há medicamento para “limítrofes”. Ou não havia…

Pesquisadores italianos publicaram recentemente resultados animadores sobre um produto natural, extraído da casca do pinheiro marítimo francês, o Pycnogenol. Substância esta que apresenta considerável ação antioxidante (superável à vitamina C) e ação de melhora na função endotelial. Vale lembrar que a disfunção endotelial é o estado mais precoce da doença cardiovascular, e, até então, não havia prevenção medicamentosa da disfunção endotelial.

A equipe do Dr. Gianni Belcaro da Universidade de Chieti-Pescara avaliou os efeitos de curto-curso da suplementação de Pycnogenol sobre a função endotelial alterada em pacientes com pressão arterial limítrofe (pré-hipertensos), indivíduos hiperlipidêmicos e hiperglicêmicos que ainda não tiveram alterações ateroscleróticas documentadas em coronárias e grandes vasos. Ou seja, Dr. Gianni escolheu aquele seu paciente pré-clínico, que saiu do seu consultório com um incentivo a atividade física e alimentação saudável.

O estudo envolveu 49 indivíduos com hipertensão limítrofe, hiperlipidemia ou hiperglicemia variando de 40 a 60 anos de idade para os quais foram prescritos 150 mg diárias de Pycnogenol, em combinação com as recomendações de dieta e exercício físico dos famosos guidelines internacionais. Um grupo de 43 indivíduos foram utilizados como controle, para os quais foi recomendada apenas as mudanças no estilo de vida. A função endotelial foi medida por dilatação mediada por fluxo, e laser Doppler para a avaliação do fluxo distal para os dedos.

O estudo constatou que a suplementação com Pycnogenol melhorou significativamente a função endotelial: 55% em oito semanas e 66% em 12 semanas de uso e o estresse oxidativo foi diminuído em cerca de 20%. A pressão arterial foi normalizada em indivíduos com hipertensão limítrofe, os níveis de colesterol foram reduzidos nos participantes com hiperlipidemia limítrofe, e os níveis de glicose em jejum diminuíram na coorte com resistência insulínica.

A propriedade do Pycnogenol de melhorar a função endotelial em pacientes com doença coronariana já foi estabelecida em estudos anteriores. Porém, a substância nunca havia sido colocada a prova em doentes pré-clínicos, e consideramos que os resultados foram animadores. Logicamente, grandes estudos devem ser realizados e o follow-up deve ser estendido para que possamos realmente validar o potencial de prevenção de aterosclerose e doença arterial coronariana, mas este foi um brilhante caminho.

 

Referências:

http://www.prnewswire.com/news-releases/study-shows-pycnogenol-can-help-improve-endothelial-function-in-cases-of-borderline-hyperglycemia-hypertension-or-hyperlipidemia-300078196.html

Comentários

Texto

Deixe uma resposta