Página Principal > Medicina Interna > Principais critérios para alta do CTI
Hospital nurse pushing an elderly lady in a wheelchair

Principais critérios para alta do CTI

Nesta semana na sessão:  conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, apresentamos os principais critérios para alta do CTI

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

250-BANNER2Introdução

  • A indicação de alta da unidade de terapia intensiva deve ser revista diariamente, e pode se basear em 2 princípios: Quando o paciente não necessitar mais de cuidados intensivos, e/ou quando não se beneficiar dos cuidados intensivos.
  • Considera-se o paciente apto à observação em unidade com nível de cuidado intermediário ou básico quando o status
    fisiológico do paciente estiver estabilizado e a necessidade de monitorização e cuidados intensivos não forem mais necessários, ou quando o status fisiológico do paciente sofrer deterioração e mais nenhuma intervenção seja planejada (alta para semi-intensiva).
  • De modo geral, a alta deve obedecer critério oposto à internação, com correção ou estabilização do fator que motivou a internação nessa unidade – necessidade de cuidado e monitorização contínuos. Os principais fatores desse contexto são: idade, sexo masculino, motivo e tempo de internação, unidade de origem, escore Apache II e presença de disfunção renal.

Escala SWIFT

    • Pode-se usar a escala SWIFT (Stability and Workload Index for Transfer), de maneira objetiva, como critério de
      alta da UTI pelo risco de reinternação, para orientar as estratégias de cuidado. Sabe-se que as readmissões
      precoces (< 48 horas) e as mortes inesperadas após a alta (< 7 dias) são eventos ainda frequentes, apesar
      da melhora na qualidade assistencial, e que quase 10% dos pacientes de CTI estão em risco de readmissão.

Tabela: Critérios do escore SWIFT

Alta do CTI

  • O momento da alta deve ser, preferencialmente, durante o dia, para facilitar as condições de transporte e
    admissão no setor de destino.
  • Consideram-se indicações para unidade semi-intensiva:
  • Necessidade de monitorização e cuidadoso em intervalos inferiores a 4 horas;
  • Recursos não-rotineiros: necessidade de recursos humanos ou técnicos que não estão disponíveis
    em outros setores;
  • Condição clínica com risco de deterioração e indicação de na Unidade Intensiva dentro de 24
    horas;
  • Necessidade de ventilação não-invasiva, com estabilidade clínica
  • Necessidade de suporte hemodinâmico com utilização de, no máximo uma droga vasoativa, em dose
    fixa ou decrescente, com finalidade de manutenção ou redução de níveis pressóricos.
  • Tratamento de arritmias agudas sem repercussão hemodinâmica (fibrilação/flutter ou outras
    taquiarritmias atriais).
  • Na ocasião da alta do CTI, o médico deve considerar, também, os principais critérios de readmissão no
    CTI, para avaliar se o momento de alta é adequado:
  • Pós-parada cardiorrespiratória;
  • Necessidade de reabordagem cirúrgica;
  • Complicação pós-operatória de neurocirurgia;
  • Sepse;
  • Complicações pulmonares (hipoxemia, higiene pulmonar inadequada, pneumonia e insuficiência
    ventilatória);
  • Alterações cardíacas (arritmias, insuficiência cardíaca congestiva e parada cardíaca);
  • Hemorragia digestiva alta;
  • Déficit neurológico novo.

728

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Comentários

Texto