Página Principal > Saúde & Tecnologia > 10 tecnologias que estão salvando milhões de vidas em países subdesenvolvidos (parte 2)

10 tecnologias que estão salvando milhões de vidas em países subdesenvolvidos (parte 2)

bA população dos países subdesenvolvidos enfrenta muitos problemas na área de saúde e precisa urgentemente de soluções médicas inovadoras. Algumas delas já são uma realidade em vários países, como mostramos na primeira parte: 10 tecnologias que estão salvando milhões de vidas em países subdesenvolvidos (parte 1). Veja agora outras tecnologias com potencial para ajudar milhões de pessoas no mundo todo:

6) Absorventes higiênicos para empoderamento das mulheres

Cerca de 23% das adolescentes na Índia abandonam a escola por falta de absorventes, de acordo com uma pesquisa realizada em 2011, encomendada pelo governo indiano. Os dados também revelaram que apenas 12% das mulheres usam absorventes e 88% usa materiais improvisados.

Agora, há uma empresa para ajudar as mulheres a se sentirem mais saudáveis e permanecerem na escola. A Saathi desenvolveu uma almofada sanitária totalmente biodegradável, com o núcleo feito de resíduos de fibra de bananeira. Através dessa inovação, agricultores locais têm aumentado sua produção, já que seu trabalho é necessário para a produção das almofadas, enquanto os resíduos biodegradáveis não prejudicam o meio ambiente.

7) MIT desenvolveu um teste para detectar Ebola em 10 minutos

Ao diagnosticar um caso de Ebola, o tempo é essencial. No entanto, os testes de diagnóstico existentes demoram, pelo menos, um dia ou dois para gerar resultados, impedindo os médicos de determinar rapidamente se um paciente necessita de tratamento imediato e isolamento.

Um novo teste desenvolvido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology) pode mudar isso: o dispositivo, uma tira de papel simples, semelhante a um teste de gravidez, pode diagnosticar Ebola, assim como outras febres hemorrágicas virais como a febre amarela e dengue, em apenas 10 minutos.

8) Startup ataca o problema de medicamentos falsificados na África

Nos países em desenvolvimento, especialmente na África Ocidental, medicamentos falsificados são um problema grave. A Organização Mundial do Comércio estimou que medicamentos falsificados contra a malária são responsáveis por 100 mil mortes africanos por ano.

A mPedigree, empresa de tecnologia de Gana, oferece uma solução bem simples para combater o problema: um paciente vai até o farmacêutico, compra o medicamento e arranha um painel do lado de fora da embalagem para revelar um código de 10 dígitos. Ele envia esse número por SMS, que é gratuito. Alguns segundos depois, ele recebe uma resposta, comprovando ou não, a autenticidade dos medicamentos.

O sistema está em fase de testes em países como Gana e Nigéria.

ban

9) Sistema de purificação de água para prevenção de doenças infecciosas

Mais de 700 milhões de pessoas no mundo estão bebendo água contaminada a cada dia. Cerca de 2,5 bilhões não têm acesso a saneamento adequado. Mais de um milhão de crianças menores de cinco anos morrem todos os anos devido à água contaminada e à falta de saneamento. A contaminação dos recursos hídricos naturais, que também servem como fontes de água potável, contribui para 10% da carga de doenças de todo o mundo.

Um processador auto-sustentável é capaz de transformar lixo e lodo de esgoto em água potável, e é capaz de gerar água potável para mais de 100 mil pessoas.

10) Tratamento de bebês com icterícia

Alguns especialistas em Stanford University School of Medicine e D-Rev estimam que, a cada ano, mais de 6 milhões de bebês com icterícia grave não estão recebendo tratamento adequado.

Em estudos na Índia e Nigéria, pesquisadores descobriram que 95% dos dispositivos avaliados em hospitais de baixa renda e clínicas não atendem os padrões para fototerapia intensiva da Academia Americana de Pediatria. Manutenção foi uma limitação fundamental na prestação de tratamento: cerca de 1 em cada 3 aparelhos de fototerapia tinha pelo menos uma lâmpada queimada ou faltando. Lâmpadas fluorescentes compactas, comumente usados em aparelhos de fototerapia, custam cerca de 15 dólares e duram aproximadamente quatro meses. Muitos hospitais têm problemas para o abastecimento dessas lâmpadas e, com dispositivos que utilizam uma média de seis lâmpadas cada, eles simplesmente não podem se dar ao luxo de substituí-las quando necessário.

D-Rev produziu um instrumento impressionante que pode resolver o problema. Com o seu dispositivo médico chamado Brilliance, hospitais podem economizar mais de 240 dólares por ano, na substituição das lâmpadas de alto custo. Além disso, a luminosidade pode suportar uma ampla gama de flutuações de energia sem alterações no desempenho do dispositivo.

A empresa estima que, com essa ajuda, mais de 125 mil bebês com icterícia que não teriam recebido um tratamento eficaz, foram tratados.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Referências:

Comentários

Texto

Deixe uma resposta