Página Principal > Colunistas > O uso do PSA para detecção precoce do câncer de próstata

O uso do PSA para detecção precoce do câncer de próstata

O câncer de próstata (CaP) é a neoplasia mais comum no homem quando se exclui os tumores de pele. Entre os homens vivos hoje, 1 a cada 7 serão diagnosticados com a doença e 1 a cada 38 (2,6%) morrerão devido ao câncer de próstata.

500x120-rosa

O uso do PSA como um dos principais marcadores para rastreio e diagnóstico precoce da doença fez com que a mortalidade do CaP diminuísse substancialmente, com as taxas de sobrevida em 5 anos ultrapassando os 80%.

Com o aumento da expectativa de vida do homem, o CaP tem importante lugar nas políticas de saúde, uma vez que a incidência da doença aumenta proporcionalmente com a idade do paciente. Nesse sentido, discussões importantes têm tentado responder o melhor momento para se tentar diagnosticar o câncer de próstata.

banner250x250

Você sabia? Ejacular diminui risco de câncer de próstata

Muitas controvérsias foram observadas nos estudos de rastreio para o CaP. O rastreio significa um exame sistemático de todos os homens assintomáticos para diagnostico da neoplasia. Alterações nesses exames levariam a realização da biópsia prostática para selar o diagnóstico.

O rastreio está associado a uma maior taxa de diagnóstico do CaP, assim como uma maior taxa de CaP mais localizado e menos avançado. No entanto, os mesmos estudos mostraram que não houve benefício na sobrevida câncer de próstata específica.

Sendo assim faz-se necessária uma abordagem individualizada para cada paciente adaptada ao risco do mesmo desenvolver a doença.

Entendemos por pacientes de alto risco aqueles com história familiar positiva (parentes de primeiro grau com o diagnóstico de CaP) e ou de raça negra.

De acordo com Associação Urológica Americana (AUA) temos as seguintes orientações:

  1. Não se recomenda o rastreio com PSA quando a idade for inferior aos 40 anos;
  2. Em pacientes com idade entre 40 e 54 anos, apenas os de alto risco para o desenvolvimento da doença devem ser testados com PSA;
  3. Em pacientes com idade entre 55 e 69, recomenda-se fortemente uma decisão compartilhada com o paciente para solicitação do PSA. Nessa faixa etária é onde encontramos o melhor benefício para o rastreio;
  4. Inicialmente o rastreio deve ser feito a cada dois anos e não anualmente como de rotina. Acredita-se que o maior intervalo preserve os benefícios do rastreio anual e ainda diminui o número de falsos positivos;
  5. Não se deve oferecer o rastreio para homens com mais de 70 anos ou qualquer outro homem com expectativa de vida abaixo de 10 a 15 anos. No entanto, para os pacientes com mais de 70 anos em excelentes condições de saúde, pode haver benefício em rastrear a doença;
  6. Para esse último grupo o valor do PSA para ser indicado a biópsia deve ser maior que 10ng/ml e quando este PSA estiver menor que 3ng/ml o rastreio deve ser encerrado;
  7. Todos os homens que desejam ser rastreador devem ser orientados sobre os riscos e benefícios de acordo com sua faixa etária, história familiar e raça, porém, se for desejo do paciente realizar o rastreio, este deve ser oferecido de qualquer forma.

Vale lembrar que o exame físico da próstata realizado com o toque retal também deve ser oferecido ao paciente e as alterações encontradas devem ser avaliadas pelo especialista que pode, independentemente dos valores de PSA, solicitar de imediato a biópsia prostática.

Autor:

werner

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Comentários

Texto

Deixe uma resposta