Página Principal > Colunistas > Como eu trato? Curso de atualização em condutas pediátricas em Neurologia

Como eu trato? Curso de atualização em condutas pediátricas em Neurologia

Em julho, foi realizado, pelo departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFRJ, o simpósio “Como eu trato?”. O objetivo foi abordar as diversas subespecialidades pediátricas, apresentando quadros clínicos e a abordagem prática, demonstrando as condutas realizadas em diversos temas.

500x120-rosa

Já falamos sobre os casos apresentados de Alergia/Imunologia, Dermatologia, Gastroenterologia, Infectologia, Reumatologia, Genética, Pneumologia e Cardiologia, vamos finalizar nosso especial com Neurologia.

  • 1º quadro clínico

O primeiro quadro clínico apresentou uma criança de 8 anos com sono agitado, baixo rendimento acadêmico que não era chamada para eventos sociais dos amigos da escola. O diagnóstico foi de transtorno do deficit de atenção com hiperatividade (TDAH).

Foi demonstrado o questionário SNAP IV, usado para aplicar aos pais e a escola para ajudar no diagnóstico de TDAH (o questionário é encontrado na internet com facilidade), são avaliados 18 sinais que são pontuados como “nem um pouco”, “só um pouco”, “bastante” e “demais”. Se existirem pelo menos seis itens marcados como “bastante” ou “demais” nós tópicos de 1 a 9, existem mais sintomas de desatenção que o esperado. Se existirem pelo menos seis itens marcados como “bastante” ou “demais” de 10 a 18, significa que existem mais sintomas de hiperatividade e impulsividade que o esperado. No entanto, o questionário SNAP IV é apenas um dos critérios para o diagnóstico:

1 – Sintomas (SNAP IV alterado)
2 – Sintomas devem estar presentes antes dos 12 anos de idade
3 – Os problemas causados devem estar presentes em, pelo menos, dois ambientes diferentes (ex: casa e escola)
4 – Há problemas evidentes na vida escolar, social ou familiar por conta dos sintomas
5 – Caso exista outro problema(depressão, deficiência mental, psicose etc..) os sintomas não deve ser atribuído a ele

O diagnóstico é essencialmente clínico e o tratamento é feito com terapia medicamentosa combinada com terapia cognitivo comportamental. O tratamento farmacológico pode ser feito com Metilfenidato de liberação medial ou liberação lenta ou Ritalina, e a medicação deverá ser suspensa nos finais de semana e nas férias.

  • 2º caso clínico

O segundo caso foi de crise convulsiva febril, a abordagem foi de discutir um pouco mais a doença e não o caso em si. Foi definida como crise convulsiva sem história de crises afebris anteriores, sem infecção do SNC ou distúrbios eletrolíticos que justifique o evento. Pode ser dividida em:

1 – Simples: período de tempo menor que 15 minutos, febril, generalizadas, e não recorrentes no mesmo quadro clínico nas primeiras 24 horas
2 – Complexas: período de tempo maior que 15 minutos, febril, pode ser focal, recorrem no mesmo quadro clínico
3 – Status epilético: período de tempo com duração entre 20 a 30 minutos

Para uma abordagem inicial anamnese e do exame físico bem feitos para descartar calafrios, síncope, perda do fôlego e intoxicação. Solicitar hemograma completo, ionograma e glicemia

250-BANNER3

Para ajudar na decisão de internação hospitalar ou não foi exposto um fluxograma aplicável apenas nas crises febris simples. Sendo que no primeiro episódio, se a criança for maior que 18 meses, a princípio não tem uma indicação formal para internar, já as crianças menores de 18 meses a internação para observação é sempre recomendada. Já em quando a criança já teve episódios anteriores de crise convulsiva febril simples não existe a necessidade de internação hospitalar.

A punção lombar deve ser feita sempre em menores de 12 meses (de 12 a 18 meses deve ser avaliada a necessidade ou não), sempre que houver presença de sinais meníngeos e em todos os quadros de status epilético. O EEG só está indicado em alguns quadros de crise convulsiva complexa avaliados pelo especialista e em todos os casos de status epilético. A imagem só deve ser feita com indicação do especialista ou nos quadros de status epilético e sempre deve-se optar pela ressonância nuclear magnética de crânio.

O tratamento abortivo da crise deve ser feito com Diazepam (dose de 0,2 a 0,5 mg/kg/dose) ou Midazolam (dose 0,2mg/kg/dose que pode ser feito intranasal caso não se consiga acesso venoso).

A conclusão da aula ficou entorno da educação dos pais que devem ser orientados quanto a benignidade do quadro, que não deixa sequelas e que não impede o desenvolvimento dos filhos. Os riscos para Epilepsia destacados foram:

1 – Crises febris múltiplas
2 – História familiar para epilepsia
3 – Idade < 3 anos
4 – Crise febril complexa
5 – Doença neurológica de base

Autor:

alexandregalvao

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique Aqui!

Comentários

Texto

Deixe uma resposta