Página Principal > Emergências > 80% dos casos de sepse começa fora do hospital

80% dos casos de sepse começa fora do hospital

A cada ano, 1 a 3 milhões de pessoas nos Estados Unidos são diagnosticadas com sepse. No Brasil, ela é responsável por 25% da ocupação de leitos em UTIs. Um novo relatório do CDC traz um alerta para que os profissionais de saúde façam mais para prevenir, reconhecer e tratar a sepse.

500x120-CIRURGIA

O CDC realizou um estudo retrospectivo de 246 adultos e 79 crianças de quatro hospitais de Nova York, com sepse grave ou choque séptico. A idade média dos pacientes adultos foi de 69 anos e 52% eram do sexo masculino. O grupo pediátrico incluiu 31 crianças menores de 1 ano e 48 crianças entre 1 e 17.

Espelhando outros estudos, septicemia ocorreu mais frequentemente entre os pacientes com uma ou mais comorbidades. Mas o que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi a constatação de que cerca de 80% dos pacientes desenvolveram infecções fora do hospital.

O estudo também revelou que 72% dos pacientes com sepse tinham visitado um médico no mês anterior ou tinham doenças crônicas, o que mostra oportunidades para a prevenção ou reconhecimento precoce de infecções que levam a sepse.

Quem mais sofre

De acordo com o relatório, a sepse está mais frequentemente associada com infecções do pulmão, trato urinário, pele e intestinos. A pneumonia é a infecção mais comum que leva à sepse.

Os indivíduos em alto risco de sepse são pessoas com 65 anos ou mais, crianças menores de 1 ano, pacientes com sistemas imunológicos enfraquecidos e aqueles com condições médicas crônicas, como diabetes.

250-BANNER5

Saiba mais sobre sepse:

– Infecções secundárias matam mais em pacientes com sepse?
– Sepse e novas definições: o que muda na prática?
– O tempo para o início do antibiótico na sepse faz diferença?
– Beta-bloqueadores: A melhor escolha na sepse + FA
– Cuidados em Sepse Abdominal (Conduta Médica em Cirurgia)

O que fazer

Os pesquisadores também indicaram seis sintomas chaves da sepse, que não são amplamente conhecidos:

– calafrios, febre ou sentir muito frio;
– dor ou desconforto extremo;
– pele pegajosa ou suada;
– confusão ou desorientação;
– falta de ar;
– batimentos cardíacos acelerados.

O Dr. Eric Perecmanis, médico especialista em Terapia Intensiva pela AMIB e colunista da PEBmed, destacou a importância do relatório do CDC:

“Campanhas com intuito informativo são amplamente divulgadas para prevenção de doenças prevalentes e de elevada morbidade e mortalidade. Com pouco esforço vários exemplos vem a nossas mentes, entre eles: câncer de mama e próstata, tuberculose, AVE e infarto agudo do miocárdio. Esse último talvez, o mais difundido de todos pela mídia ao longo dos anos. Dificilmente alguém com dor no peito não se encaminhará a uma emergência nas primeiras horas de sintomas. Por que seria diferente com a sepse?” – questiona Dr. Eric.

No relatório, o CDC destaca algumas ações importantes:

  • Educar os pacientes e suas famílias: reforce a necessidade de prevenir infecções, gerenciar as condições crônicas e, se uma infecção não está a melhorando, procurar imediatamente um médico.
  • Pensar em ‘sepse’: conheça os sintomas para identificar e tratar pacientes mais rápido.
  • Agir rápido: se existir suspeita, solicite exames para ajudar a determinar se uma infecção estiver presente, onde e o que causou isso. Comece com antibióticos e outros cuidados médicos recomendados imediatamente.
  • Reavaliar o doente: verifique o progresso do paciente com freqüência. Faça uma reavaliação da terapia antibiótica de 24 a 48 horas mais cedo, conforme necessário. Determine se o tipo de antibióticos, dose e duração estão corretas.

“Finalmente o mundo se dá conta que o diagnóstico e tratamento precoce desta patologia também muda seu desfecho. Estamos muito longe do ideal, especialmente em nosso país, mas espero que a intenção venha para ficar” – finaliza o Dr. Eric.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

Comentários

Texto

Deixe uma resposta