Página Principal > Cardiologia > Fumo passivo prejudica criança anos após a exposição
cigarro

Fumo passivo prejudica criança anos após a exposição

Os danos da exposição à fumaça do cigarro para as crianças já são bem conhecidos, no entanto, muitos ainda respiram essa substância tóxica em casa ou em locais públicos. Em uma nova declaração científica, a American Heart Association alerta que o fumo passivo durante a infância pode levar a problemas respiratórios a longo prazo e uma menor expectativa de vida.

500x120-usuarios

Nos dados divulgados pelo AHA, estima-se que 24 milhões de crianças e jovens não-fumantes estão expostos ao fumo passivo apenas nos EUA, em grande parte por causa dos pais que fumam.

No Brasil, cerca de 40% das crianças estão expostas a fumo passivo em casa e 31% das mortes atribuídas ao fato ocorre justamente em crianças.

Em 2012, pesquisadores americanos encontraram cotinina, subproduto da nicotina, em amostras de sangue de quase 41% de crianças de 3 e 11, e 34% com idades entre 12 e 19 anos.

Veja também: ‘As principais doenças causadas pelo tabaco’

250-BANNER5

Consequências graves

Além de afetar a função do coração, causando danos às artérias, a exposição tem sido associada a outros fatores de risco cardiovascular, incluindo obesidade, colesterol alto e resistência à insulina.

Pesquisas recentes têm ajudado a explicar por que isso pode ser perigoso para as crianças. Produtos químicos no tabaco podem causar alterações no fluxo de sangue, vasos sanguíneos, pressão arterial e ritmo cardíaco.

As crianças são especialmente vulneráveis à exposição ao fumo passivo já que não podem controlar o uso do tabaco em seus arredores. Além disso, estudos indicam que elas são, particularmente, suscetíveis fisicamente para os efeitos do fumo.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

Comentários

Texto

Deixe uma resposta