Página Principal > Pediatria > Estudos comprovam segurança dos broncodilatadores beta-agonistas
pulmao

Estudos comprovam segurança dos broncodilatadores beta-agonistas

Adição de β-agonista de longa duração (LABA) a um corticosteroide inalado não aumenta risco em crianças e adultos com asma moderada à grave, indicam dois novos estudos publicados no New England Journal of Medicine.

500x120

Os broncodilatadores beta-agonistas estão disponíveis desde a década de 90, mas as preocupações sobre sua segurança surgiram a partir de dois grandes ensaios, que encontraram mais mortes relacionadas à asma entre pacientes tratados com salmeterol. Desde então, houveram muitos debates conflitantes, levando o FDA a emitir um aviso sobre as drogas.

Mas agora, em dois novos estudos, pesquisadores não encontraram evidências de risco aumentado. Em um dos ensaios, a combinação de formoterol de longa duração + budesonida reduziu o risco de uma exacerbação da asma em pessoas com 12 anos ou mais em 16,5%. O risco de eventos graves relacionados à asma foi o mesmo da budesonida isolada.

No outro ensaio, o salmaterol + fluticasona tiveram um risco de eventos graves semelhante ao risco com apenas fluticasona, entre crianças de 4 a 11 anos. No entanto, também não houve diferença expressiva entre os dois grupos na eficácia do tratamento.

De acordo com as diretrizes, broncodilatadores beta-agonistas devem ser usados apenas quando o corticosteroide de primeira linha não é eficaz.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250-BANNER3

Referências:

  • Safety of Long-Acting Beta-Agonists in Children with Asthma. N Engl J Med 2016; 375:889-891. September 1, 2016. DOI: 10.1056/NEJMe1608508
  • Serious Asthma Events with Budesonide plus Formoterol vs. Budesonide Alone. N Engl J Med 2016; 375:850-860. September 1, 2016. DOI: 10.1056/NEJMoa1511190
  • Safety of Adding Salmeterol to Fluticasone Propionate in Children with Asthma. N Engl J Med 2016; 375:840-849. September 1, 2016. DOI: 10.1056/NEJMoa1606356

Comentários

Texto

Deixe uma resposta