Página Principal > Saúde & Tecnologia > Pesquisa PEBmed: que tipo de profissional você prefere ser?
medico3

Pesquisa PEBmed: que tipo de profissional você prefere ser?

pesquisa feita pela PEBmed com mais de 4 mil médicos brasileiros revelou que a maior parte dos profissionais prefere trabalhar como autônomo. Esse formato oferece mais liberdade para outras atividades, além de aliviar o médico de algumas burocracias e papeladas desnecessárias.

500x120-rosa

Perguntamos aos participantes “Que tipo de profissional você prefere ser?”. As respostas foram bem variadas, mas a maioria – 33,8% – respondeu que prefere ser autônomo. Os outros resultados foram: 24,7% ser empregado; 17,4% ser dono; 11% ser sócio; 12,8% ser chefe.

Pelos resultados, fica evidente que os médicos estão buscando mais liberdade para exercerem suas funções. O último estudo sobre o assunto, divulgado pelo Annals of Internal Medicine, revelou que 49% das horas de trabalho dos médicos são gastas em papelada, enquanto apenas 27% é gasto diretamente com os pacientes.

Mais sobre a pesquisa da PEBmed: ‘O desequilíbrio na vida pessoal e profissional do médico’

A opção de ser dono ou ser sócio também teve uma representação significativa no resultado. Nos últimos anos, o setor de saúde caiu no gosto dos investidores, e os médicos estão percebendo que o momento é propício para empreender.

Você tem o perfil certo para ser empreendedor? Saiba aqui!

Que tipo de profissional você quer ser?

Antes de tudo, essa é a pergunta que você deve fazer a si mesmo. Em seguida, faça uma análise “O que eu preciso fazer para chegar lá?”. A melhor forma de levar sua carreira para onde você quer é se planejando.

Faça um plano a longo prazo, de 5 a 10 anos. Depois, pense em pequenos planos de ação para os próximos anos, como se fossem etapas até chegar no objetivo a longo prazo.

banner

Durante a semana, faremos artigos especiais mostrando mais resultado da pesquisa. Fique ligado!

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Comentários

Texto

Deixe uma resposta