Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Fazer ressonância magnética durante a gravidez é seguro?

Fazer ressonância magnética durante a gravidez é seguro?

Fazer ressonância magnética durante a gravidez é perigoso para o bebê? O maior estudo sobre o assunto indica que o exame feito durante o primeiro trimestre não foi associado a um risco maior para o feto.

500x120-usuarios

Recentemente, o maior estudo feito sobre ressonância magnética durante a gravidez (mais de 1.5 milhão de nascimentos analisados) indica que o exame feito no primeiro trimestre não foi associado a maiores riscos para natimorto, morte neonatal, anomalia congênita, neoplasia ou perda de visão/audição.

O estudo também descobriu que exposição ao gadolínio, a qualquer momento da gravidez, foi associado com um risco maior para natimorto e morte neonatal. Crianças expostas no útero tinham mais risco de desenvolver doenças reumatológicas, inflamatórias ou infiltrativas de pele, mas não anomalia congênita ou fibrose sistêmica nefrogênica.

250-BANNER3

Mais sobre cuidados na gravidez:

– Pesquisa indica que 22% dos médicos não conhecem os perigos do álcool na gravidez
– Estudo associa enjoos e vômitos na gravidez a menor risco de aborto
– Drogas antipsicóticas são seguras durante a gravidez?
– Tromboembolismo venoso na gestação: novas recomendações para prevenção
– Bebês expostos a paracetamol no útero podem ter problemas comportamentais
– Veja recomendações para cuidar de pacientes com hiperêmese gravídica

O estudo reforça as evidências que suportam a segurança da ressonância magnética na gravidez, quando clinicamente indicado. Ele também fornece os primeiros dados apoiando as recomendações para evitar o uso de agentes de contraste à base de gadolínio em mulheres grávidas, quando possível.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Ray JG, Vermeulen MJ, Bharatha A, et al. Association Between MRI Exposure During Pregnancy and Fetal and Childhood Outcomes. JAMA 2016; 316:952

Comentários

Texto

Deixe uma resposta