Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Zika – Diagnóstico Materno e Fetal de Infecção (Conduta médica em Obstetrícia)
dengue

Zika – Diagnóstico Materno e Fetal de Infecção (Conduta médica em Obstetrícia)

Esta semana, a PEBmed lançou a nova sessão de Ginecologia e Obstetrícia no Whitebook, com mais de 50 conteúdos divididos entre pré-natal, intercorrências obstétricas, parto e puerpério, calculadoras obstétricas e muito mais. Por isso, na nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, trazemos “Zika – Diagnóstico Materno e Fetal de Infecção.

As melhores condutas em Obstetrícia você encontra no: Whitebook Clinical Decision! Baixe grátis.

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Testar gestantes com quadro clínico compatível (um ou mais sintomas):

  • ≥ 7 dias após o início dos sintomas: RT-PCR de soro e de urina para a detecção de RNA do vírus Zika. Deve-se testar também para o vírus da dengue e Chikungunya.
  • 4-7 dias após o início dos sintomas e PCR negativo para Zika vírus: realizar teste sorológico (IgM).
  • Atenção: Todos os resultados sorológicos devem ser interpretados com cautela, uma vez que pode haver reação cruzada com outros flavivírus.
  • 8-14 dias após o início dos sintomas: RT-PCR de urina e sorologia (vírus Zika IgM).
  • ≥ 15 dias após o início dos sintomas: sorologia para Zika vírus (IgM).

Rastreio ultrassonográfico para infecção fetal:

  • Em mulheres infectadas no início da gravidez, achados de USG podem ser detectados tão cedo quanto 18 a 20 semanas, mas geralmente são detectadas no final do segundo e início do terceiro trimestre.
  • Ultrassonografia basal: avaliação anatômica fetal entre 18 e 20 semanas para todas as mulheres grávidas, sintomáticos ou com exposição a gravidez precoce pelo vírus Zika.
  • Os 2 maiores achados que sugerem infecção por Zika vírus são: Microcefalia: perímetro cefálico < percentil 3 para a idade gestacional; calcificações intracranianas.
  • Exames periódicos: A cada quatro semanas para as mulheres sintomáticas com testes positivos ou inconclusivos para a infecção pelo vírus Zika. Nova avaliação de USG com 28 a 30 semanas para mulheres com resultados laboratoriais negativos e assintomáticas.

Amniocentese – PCR do líquido amniótico: Indicações:

  • USG anormal: microcefalia fetal, calcificações intracranianas, ventriculomegalia, hidranencefalia, independentemente dos resultados dos testes laboratoriais maternos para infecção pelo vírus Zika.
  • Resultados laboratoriais maternos positivos ou inconclusivos para o vírus Zika, independentemente dos resultados de ultrassom.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Comentários

Texto

Deixe uma resposta