Página Principal > Cardiologia > Uma boa dieta para prevenir demência?
salad-791891_640

Uma boa dieta para prevenir demência?

Dietas para prevenir demência ou declínio cognitivo são, em geral, seguras para o paciente e mais fáceis de implementar do que outras intervenções, como, por exemplo, exercício. Mas as evidências que suportam esta hipótese variam muito.

500x120-usuarios

Uma das dietas com mais estudos positivos é a mediterrânea, rica em grãos, legumes, frutas, batatas, nozes, sementes, legumes, peixe e azeite; e pobre em carne vermelha, aves, laticínios e álcool.

A abordagem da dieta para hipertensão é semelhante. A DASH (Dietary Approach to Stop Hypertension) consiste em aumentar vegetais, legumes, frutas, fibras, grãos integrais (inclui castanhas) e peixes; e reduzir laticínios, carne vermelha e gordura saturada.

A dieta Mediterrânea-DASH (MIND) para retardar a degeneração neurológica incorpora elementos de ambas os regimes, mas coloca mais ênfase em frutas, nozes e feijão.

Uma meta-análise de estudos prospectivos de coorte mostrou que pessoas que aderem a uma dieta mediterrânea têm taxas menores de Alzheimer e Parkinson. Da mesma forma, pessoas que seguiram a dieta MIND apresentaram menor declínio na memória, velocidade perceptiva e organização perceptual em follow-up de 4,7 anos. Além disso, os participantes tinham menor probabilidade de desenvolver Alzheimer em follow-up de 4,5 anos.

Veja também: ‘Inibidores da bomba de próton causam demência?’

No estudo PREDIMED, participantes com idade entre 55 e 80 anos com alto risco de doença cardiovascular foram aleatoriamente designados para uma das três dietas: mediterrânea com azeite de oliva extra-virgem suplementar; mediterrânea com nozes mistas suplementar; ou dieta regular com ênfase na redução de gordura. Houve uma redução no índice de infarto do miocárdio, AVC e morte por causas cardiovasculares com as dietas do Mediterrâneo.

Em um estudo de curta duração, participantes que foram randomizados para uma dieta DASH tiveram melhor velocidade psicomotora no follow-up de 4 meses.

A dieta também pode ser eficaz quando faz parte de uma intervenção multicomponente. No estudo FINGER, 1.260 participantes com fatores de risco cardiovascular para a demência e desempenho cognitivo na média ou ligeiramente abaixo do esperado para a idade foram aleatoriamente designados para uma intervenção multicomponente (dieta, exercício, formação cognitiva e monitoramento de risco vascular) ou conselhos de saúde (grupo de controle).

E mais: ‘Teste de olfato x ressonância magnética: qual é o melhor para detectar declínio cognitivo?’

A dieta incluía frutas e legumes, produtos de cereais integrais, leite desnatado, produtos com baixo teor de açúcar, margarina ao invés de manteiga e, pelo menos, duas porções de peixe por semana. O resultado primário foi a mudança no desempenho em uma bateria de testes neuropsicológicos. Durante o período de acompanhamento de 24 meses, o resultado dos testes foi 25% maior no grupo de intervenção do que no de controle; e o funcionamento executivo e velocidade de processamento foram melhores no grupo de intervenção. No entanto, a memória não foi melhor no grupo de intervenção.

Essas evidências sugerem, mas não concluem, o benefício de uma dieta saudável na cognição e demência. Juntamente com outros relacionados com a hipertensão e as doenças cardiovasculares, os médicos podem considerar recomendar essas dietas para pessoas mais velhas com quadro clínico apropriado.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250x250-1

Referências:

  • Can a Good Diet Prevent Dementia?. Medscape. Sep 30, 2016.
  • Sofi F, Cesari F, Abbate R, Gensini GF, Casini A. Adherence to Mediterranean diet and health status: meta-analysis. BMJ. 2008;337:a1344.
  • Morris MC, Tangney CC, Wang Y, et al. MIND diet slows cognitive decline with aging. Alzheimers Dement. 2015;11:1015-1022.
  • Morris MC, Tangney CC, Wang Y, Sacks FM, Bennett DA, Aggarwal NT. MIND diet associated with reduced incidence of Alzheimer’s disease. Alzheimers Dement. 2015;11:1007-1014.
  • Estruch R, Ros E, Salas-Salvado J, et al. Primary prevention of cardiovascular disease with a Mediterranean diet. N Engl J Med. 2013;368:1279-1290.
  • Martinez-Lapiscina EH, Clavero P, Toledo E, et al. Mediterranean diet improves cognition: the PREDIMED-NAVARRA randomised trial. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2013;84:1318-1325.
  • Smith PJ, Blumenthal JA, Babyak MA, et al. Effects of the dietary approaches to stop hypertension diet, exercise, and caloric restriction on neurocognition in overweight adults with high blood pressure. Hypertension. 2010;55:1331-1338.
  • Ngandu T, Lehtisalo J, Solomon A, et al. A 2 year multidomain intervention of diet, exercise, cognitive training, and vascular risk monitoring versus control to prevent cognitive decline in at-risk elderly people (FINGER): a randomised controlled trial. Lancet. 2015;385:2255-2263.
  • Siervo M, Lara J, Chowdhury S, Ashor A, Oggioni C, Mathers JC. Effects of the Dietary Approach to stop Hypertension (DASH) diet on cardiovascular risk factors: a systematic review and meta-analysis. Br J Nutr. 2015;113:1-15.

Comentários

Texto

Deixe uma resposta