Página Principal > Reumatologia > ACP publica novas diretrizes para tratamento da gota

ACP publica novas diretrizes para tratamento da gota

Gota é uma das formas mais comuns de artrite inflamatória. O American College of Physicians fez uma revisão dos estudos e ensaios publicados entre 2010 e 2016 sobre a doença para elaborar novas diretrizes, com recomendações clínicas para o tratamento. Veja os principais pontos.

500x120-amarelo

A gota é causada pelo acúmulo de cristais de monourato de sódio no fluido articular, cartilagem, ossos, tendões, bursas e outros locais. Pacientes experimentam inchaço articular e dor durante ataques de gota, conhecida como artrite gotosa aguda.

Em alguns pacientes, a frequência e a duração dos ataques aumentam ao longo do tempo e levam à gota crônica, que pode estar associada com depósitos de cristais de ácido úrico conhecidos como tofos. Os fatores de risco incluem:

– sobrepeso ou obesidade;
– hipertensão;
– consumo de álcool;
– uso de diuréticos;
– dieta rica em carne, frutos do mar e alta frutose alimentos ou bebidas;
– e função renal ruim.

O tratamento é feito através de abordagens farmacológicas e não-farmacológicas. As terapias farmacológicas concentram-se nas estratégias de redução de ácido úrico e nos fármacos anti-inflamatórios. As não-farmacológicas concentram-se na dieta e mudanças no estilo de vida, como perda de peso e exercício.

250-BANNER5

Fique por dentro das outras diretrizes também:

– Ingestão de cálcio é seguro para a saúde cardiovascular? Novas diretrizes respondem
– Novas diretrizes estabelecem limites para o uso de eletrônicos por bebês e crianças
– Veja os principais pontos das novas diretrizes para sepse pediátrica
– Novas diretrizes para Menopausa indicam o melhor tratamento
– Recomendações para o rastreio do câncer de pele
– Novas recomendações para antibioticoterapia no tratamento de pneumonia

Novas diretrizes do ACP

As recomendações não incluem baixar os níveis séricos de ácido úrico para menos de 357 μmol / L (6 mg / dL), em contraste com as orientações do American College of Rheumatology de 2012. Na publicação, a entidade justifica que alguns pacientes abaixo desse limiar ainda podem apresentar sintomas.

Veja os principais pontos das novas diretrizes do ACP:

  • Para diagnosticar a gota aguda, médicos devem usar a análise de líquido sinovial quando a articulação pode ser aspirada sem desconforto para paciente, por um profissional experiente, e quando os recursos disponíveis podem detectar cristais de urato.
  • Escolher corticosteroides, anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) ou colchicina para tratar pacientes com gota aguda.
  • Quando usando colchicina, são recomendadas doses mais baixas (1,2 mg, depois 0,6 mg 1 hora mais tarde), uma vez que são tão eficazes como doses mais elevadas e têm menos efeitos secundários.
  • Não iniciar a terapia de redução de urato a longo prazo na maioria dos doentes após um primeiro ataque de gota ou em doentes com ataques infrequentes.
  • Discutir benefícios, danos, custos e preferências com os pacientes antes de iniciar o tratamento, incluindo profilaxia concomitante, em indivíduos com ataques recorrentes de gota.

Veja o artigo completo aqui.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Management of Gout: A Systematic Review in Support of an American College of Physicians Clinical Practice Guideline. http://annals.org/aim/article/2578526/management-gout-systematic-review-support-american-college-physicians-clinical-practice
  • Management of Acute and Recurrent Gout: A Clinical Practice Guideline From the American College of Physicians. http://annals.org/aim/article/2578528/management-acute-recurrent-gout-clinical-practice-guideline-from-american-college
  • http://www.jwatch.org/fw112207/2016/11/01/new-acp-gout-guidelines-exclude-treat-target?query=pfw&jwd=000020039906&jspc=IM

Comentários

Texto

Deixe uma resposta