Página Principal > Infectologia > Sarampo: apresentação clínica e diagnóstico

Sarampo: apresentação clínica e diagnóstico

Nessa semana, falamos sobre o sarampo e como a doença ainda mata quase 400 crianças todos os dias. Por isso, na nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, trazemos Sarampo: apresentação clínica e diagnóstico.

As melhores condutas médicas você encontra no: Whitebook Clinical Decision! Baixe grátis.

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Apresentação clínica

  • Há 4 períodos bem definidos: período de incubação, período prodrômico ou catarral, período exantemático e período de convalescença ou de descamação furfurácea.
  • Incubação: Vírus migra para os linfonodos regionais. A viremia primária dissemina o vírus para o sistema reticuloendotelial. A viremia secundária dissemina o vírus para as superfícies do corpo.
  • Período prodrômico ou catarral: ocorre após a viremia secundária e está associada à necrose epitelial e formação de células gigantes nos tecidos corporais. Tem duração de 6 dias: no início da doença, surge febre, tosse produtiva, secreção nasal seromucosa, conjuntivite e fotofobia. Nas últimas 24 horas deste período, surge, na altura dos pré-molares, as manchas de Koplik (pequenas manchas brancas com halo eritematoso, consideradas sinal patognomônico do sarampo).
  • Período exantemático: A produção de anticorpos começa enquanto a replicação viral diminui. Os sintomas da fase anterior ficam acentuados, com prostração importante do paciente e surgimento do exantema característico: maculopapular, de cor avermelhada, com distribuição em sentido céfalo-caudal, que surge na região retro-articular e face. De 2 a 3 dias depois, estende-se ao tronco e as extremidades, persistindo por 5-6 dias.
  • Período de convalescença ou de descamação furfurácea: último período, quando as manchas tornam-se escurecidas e surge descamação fina, lembrando farinha.
  • Pode complicar com pneumonia, crupe, traqueíte, bronquiolite, OMA, diarreia, convulsão febril, encefalite, panencefalite esclerosante subaguda e, de forma mais rara, miocardite.

Abordagem Diagnóstico

  • O diagnóstico se baseia em achados clínicos e epidemiológicos com confirmação através da dosagem de IgM que surge 1-2 dias após o início da erupção e continua detectável por cerca de 1 mês.
  • Os achados laboratoriais na fase aguda incluem leucopenia total com redução dos linfócitos maior do que a dos neutrófilos.
  • Marcadores inflamatórios: No sarampo não complicado por infecção bacteriana, os valores de VHS e PCR são normais.

Diagnóstico Diferencial:

  • Rubéola;
  • Escarlatina;
  • Dengue;
  • Sífilis secundária;
  • Infecção por adenovírus;
  • Infecção por parvovírus B19 (eritema infeccioso);
  • Exantema súbito;
  • Mononucleose infecciosa;
  • Doença de Kawasaki;
  • Infecção por enterovírus;
  • Infecção por Mycoplasma pneumoniae;
  • Farmacodermia;
  • Eventos adversos à vacina.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Comentários

Texto

Deixe uma resposta