Página Principal > Colunistas > Novas recomendações para síndrome de morte súbita e outras mortes infantis relacionadas ao sono

Novas recomendações para síndrome de morte súbita e outras mortes infantis relacionadas ao sono

Em novembro, a Academia Americana de Pediatria publicou na revista Pediatrics um artigo com as novas recomendações para prevenção da síndrome de morte súbita e outras mortes infantis relacionadas ao sono (incluindo mortes acidentais por sufocamento e estrangulamento na cama).

500x120-assinatura

As recomendações foram baseadas em séries de estudos caso-controle que incluíram crianças até um ano de vida. Abaixo, estão relacionadas as principais recomendações que os profissionais de saúde devem utilizar para orientação dos pais e famílias.

1) Uso da posição supina para dormir

Crianças de até um ano de idade devem ser colocadas para dormir na posição supina (“barriga para cima”) todas as vezes durante o sono. As posições de lado e prona (“barriga para baixo”) devem ser desestimuladas, pois não são seguras nessa faixa etária.

Mesmo crianças com doença do refluxo gastroesofágico, que não apresentem alterações na proteção das vias aéreas, devem ser mantidas em posição supina durante o sono, pois o risco de mortes relacionadas ao sono superam os riscos de broncoaspiração devido ao refluxo.

A elevação da cabeceira do berço também não é recomendada, uma vez que não tem eficácia na redução dos episódios de refluxo e pode contribuir para o desposicionamento da criança no leito, com prejuízo da abertura das vias aéreas e da respiração.

Essa recomendação é verdadeira para prematuros, inclusive aqueles mantidos nas UTI neonatais; assim que possível clinicamente, o bebê deve ser mantido na posição supina. Uma vez que a criança consiga rolar da posição supina para a prona e da prona para supina, ele pode ser mantido na posição que assumir.

2) Usar uma superfície firme para dormir

A criança deve ser mantida numa superfície firme (ex.: colchão adequado num berço aprovado pelas normas de segurança), coberta por um lençol com elástico sem outros objetos presentes. A superfície não pode se deformar quando a criança é colocada sobre ela.

Os berços devem apresentar um espaçamento de grades adequado e com colchão que se encaixe adequadamente ao berço. Não reutilizar berços que já estiveram quebrados, mesmo que tenham sido consertados. Os berços laterais que se acoplam à cama dos pais não podem ser recomendados por falta de estudos específicos.

Não colocar objetos como travesseiros, colchas e edredons junto à superfície de dormir. Não usar camas (mesmo com grades de cama) pelo risco aumentado de estrangulamento.

Não usar como superfície de dormir carrinhos de bebê, cadeirinhas de carro, slings, etc. Se a criança dormir em algum desses dispositivos, transportá-la para o berço assim que possível. Cuidado durante o uso do sling – deve-se ter especial cuidado para assegurar que a cabeça da criança mantenha-se elevada, acima do tecido, com face visível e nariz e boca livres de obstruções.

3) Aleitamento materno

O aleitamento materno é fator de proteção contra as mortes infantis relacionadas ao sono. Qualquer tipo é fator de proteção, mas o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade garante maior efeito.

4) Quarto compartilhado

É recomendado que as crianças até 1 ano (pelo menos até 6 meses de idade) durmam no quarto dos pais, próximo a cama dos pais, mas em superfície separada. As crianças trazidas para a cama dos pais para fins de amamentação ou conforto devem ser recolocadas em seus berços assim que os pais estiverem prontos para dormir.

Cuidado especial deve ser tomado quando a mãe estiver amamentando ou descansando com seu filho em superfícies como sofás ou cadeiras, principalmente relacionados ao nível de vigília dos pais. As crianças nunca devem ser colocadas no sofá ou cadeira para dormir.

Embora o local mais seguro para uma criança dormir seja em uma superfície separada da cama de seus pais, é reconhecido que muitas vezes a mãe dorme durante a amamentação. As evidências sugerem que nesses casos, é menos prejudicial que isso ocorra na cama dos pais do que em superfícies como sofás ou cadeiras. Nessa situação, não deve haver nenhum tipo de coberta, travesseiro, lençol ou edredom na cama materna; não deve haver nenhum item que possa obstruir a respiração da criança ou que possa causar superaquecimento. Assim que possível, quando um dos pais acordar, recolocar a criança em seu berço.

Em casos de compartilhamento de cama com os pais, evitar os seguintes fatores de risco (que estão relacionados com aumento do risco de morte):

  • Compartilhamento de cama com crianças nascidas a termo com menos de 4 meses de idade e com aquelas com prematuridade e/ou baixo peso de nascimento.
  • Compartilhamento de cama com tabagistas (mesmo que não fume na cama) ou se a mãe tiver fumado durante a gestação.
  • Compartilhamento de cama com pessoas que possam ter o nível de despertar alterado, seja por cansaço ou uso de medicamentos ou substâncias como álcool ou drogas ilícitas.
  • Compartilhamento com outras pessoas que não sejam os pais da criança, incluindo outras crianças.
  • Compartilhamento de cama em superfícies moles, como sofás, cadeiras, colchões de água.
  • Evitar o compartilhamento de cama de gemelares (segurança e benefícios ainda não estabelecidos).

5) Não usar objetos soltos no berço

Objetos como travesseiros, cobertores, edredons ou lençóis soltos podem obstruir o nariz e boca dos lactentes, aumentando o risco de morte por morte súbita, sufocamento e estrangulamento. É mais adequado ajustar o aquecimento com as próprias roupas do bebê, não sendo necessário o uso de cobertores e outros objetos.

Protetores de berço também são desaconselhados, uma vez que em berços com distanciamento adequado das grades, o aprisionamento é raro, e os protetores de berço podem causar sufocamento.

6) Uso de chupetas

Estudos demonstram um efeito protetor do uso da chupeta na incidência da morte súbita, embora os mecanismos não estejam claros. Não usar chupetas penduradas no pescoço da criança nem grudadas na roupa dela. Não insistir no uso da chupeta caso a criança recuse. Em crianças em aleitamento materno, oferecer a chupeta apenas após a estabilização completa da amamentação. Caso a chupeta caia da boca da criança após a mesma dormir, não é necessário recolocá-la na boca dela.

7) Evitar exposição ao tabaco durante gestação e após o nascimento

O tabagismo materno durante a gestação e a exposição ao tabaco após o nascimento estão relacionados ao aumento da incidência da morte súbita do lactente. O risco é particularmente aumentado se a criança compartilha a cama com um fumante, mesmo que não fume na cama.

8) Evite o uso de álcool e drogas ilícitas durante a gestação

Existe risco aumentado de mortes relacionadas ao sono com exposição pré e pós-natal ao álcool e drogas ilícitas, principalmente em casos de compartilhamento de cama.

9) Evitar superaquecimento e cobertura da cabeça da criança

A recomendação geral é que a criança esteja vestida de acordo com o ambiente, usando no máximo uma camada de roupa a mais do que um adulto usaria para ficar confortável naquele ambiente.

10) Pré-natal

As consultas pré-natais realizadas de forma adequada relacionam-se a redução do risco de mortes relacionadas ao sono.

11) Imunização

Estudos recentes têm sugerido um efeito protetor da vacinação contra a morte súbita.

12) Uso de dispositivos comerciais

Especial atenção deve ser dada para os dispositivos que referem reduzir os riscos de morte relacionada ao sono. Até o momento, não existem indicativos da segurança e benefício do uso desses dispositivos.

13) Monitores cardiorrespiratórios

O uso de monitores cardiorrespiratórios como estratégia de redução de mortes relacionadas ao sono não está estabelecido, e portanto não devem ser indicados.

14) Uso de posição prona

Períodos de posição prona quando a criança está acordada e supervisionada pelos pais são importantes para redução de deformidades cranianas e desenvolvimento neurológico. Portanto, deve ser utilizada. Não está definido por quanto tempo nem a frequência que a posição prona deve ser utilizada.

15) Uso de faixas para manutenção da posição da criança

Não existem indicações que o uso de faixas para manutenção da criança na posição supina seja benéfico na prevenção das mortes relacionadas ao sono.

Autor:

doloreshenriques

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

250x250-1

Referências:

  • SIDS and Other Sleep-Related Infant Deaths: Updated 2016 Recommendations for a Safe Infant Sleeping Environment. Pediatrics. http://pediatrics.aappublications.org/content/early/2016/10/20/peds.2016-2938

Comentários

Texto

Deixe uma resposta