Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Trombocitopenia na gestação: quando devemos nos preocupar?
médica examinando paciente grávida

Trombocitopenia na gestação: quando devemos nos preocupar?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em gestações não complicadas, a trombocitopenia é descrita como contagem de plaquetas inferior a 150.000 por µL. Em grávidas com complicações, esse número pode ser ainda menor. Para esclarecer as alterações relacionadas à gestação na contagem de plaquetas, pesquisadores realizaram um estudo. Os resultados foram publicados no New England Journal of Medicine em julho.

Para esse fim, foi analisada a contagem de plaquetas ao longo da gravidez em mulheres que fizeram o parto no Centro Médico da Universidade de Oklahoma entre 2011 e 2014. Estas contagens foram comparadas com as de mulheres não-grávidas do National Health and Nutrition Examination Survey de 1999 a 2012.

No total, ocorreram 15.723 partos durante o período do estudo; destes, 7.351 mulheres tiveram dados suficientes para as análises. Entre as participantes, 4.568 tiveram gestação não complicada, 2.586 tiveram complicações relacionadas à gravidez e 197 tinham distúrbios preexistentes associados com trombocitopenia.

LEIA MAIS: Vacinação contra gripe na gravidez – qual a recomendação?

Plaquetas e gestação

Entre as mulheres que tiveram gestações não complicadas, a contagem média de plaquetas no primeiro trimestre foi de 251.000 por µL, resultado inferior à contagem média de plaquetas em mulheres não grávidas (273.000 por µL).

No momento do parto, 9,9% das mulheres com gravidez não complicada tinham uma contagem de plaquetas abaixo de 150.000 por µL. Doze mulheres (0.1%) com gravidez não complicada tinham uma contagem abaixo de 80 por µL; cinco foram identificadas como não tendo nenhuma causa alternativa para a trombocitopenia.

As contagens de plaquetas inferiores a 150.000 por µL no momento do parto foram mais comuns entre mulheres que tiveram complicações relacionadas à gravidez (11,9% vs. 9,9% das gestações não complicadas, P = 0,01). Ao longo de suas gestações e partos, 59 mulheres (2,3%) com complicações tinham uma contagem de plaquetas abaixo de 100.000 por µL, e 31 (1,2%) tinham uma contagem de plaquetas abaixo de 80.000 por µL.

LEIA MAIS: Suplementação de ferro na gravidez?

As seguintes conclusões foram tiradas dos achados:

  • O número de plaquetas diminuiu durante a gravidez em todas as mulheres, começando no primeiro trimestre.
  • Uma contagem de plaquetas inferior a 100.000 por µL pode indicar doença de base e deve ser investigada.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Jessica A. Reese, Ph.D., Jennifer D. Peck, Ph.D., David R. Deschamps, M.D., Jennifer J. McIntosh, D.O., Eric J. Knudtson, M.D., Deirdra R. Terrell, Ph.D., Sara K. Vesely, Ph.D., and James N. George, M.D. Platelet Counts during Pregnancy. July 5, 2018. N Engl J Med 2018; 379:32-43. DOI: 10.1056/NEJMoa1802897

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.